Apesar de a palavra chopp ser de origem alemã, pois lá “schopp” é uma forma de medir o volume, ele foi criado há mais de cinco mil anos pelos egípcios. A bebida era utilizada como forma de pagamento para os trabalhadores, pois acreditavam que ele tinha um poder de rejuvenescimento.

Porém, foi só na Idade Média que ele começou a ganhar a mesma forma e gosto que conhecemos hoje, quando os monges começaram a produzir nos mosteiros. O chopp claro apareceu pela primeira vez em 1839 na cidade de Pilsen, na República Tcheca, após os cervejeiros descobrirem uma forma de diminuir a fermentação.

 

O chopp é feito de: água, que é o principal item em quantidade e quanto menos salinidade tiver mais qualidade terá a bebida; malte, que é adquirido por meio da germinação do grão da cevada exclusivamente selecionado para a produção do chopp; lúpulo, uma planta importada da Europa e EUA, cujas flores possuem elementos essenciais que determinam o sabor do chopp; e por último o fermento, microorganismo responsável pela transformação do amido do malte em álcool. Esse último item se difere em cada cervejaria.